sexta-feira, 1 de junho de 2012

Sabor Norte/Nordeste brasileiro

Oi meninas do meu coração, tudo bem por aí? Aqui as coisas andam meio assim...
Hoje vim falar brevemente de um legume típico da região que nasci.
Aqui no Sul a temperatura tem baixado e com isso os convites as sopas tem sido bem freqüentes, e eu como uma boa nordestina preparei uma sopa deliciosa com alguns ingredientes que não são comuns nessa região.
Carne moída, Cenoura, beterraba, chuchu, batata, jiló, quiabo, abóbora, vagem, couve manteiga e MAXIXE eu particularmente amo tudo isso e sei o quanto é saudável.

Temperei com azeite, alho, cebola, pimenta calabresa, coentro, cebolinha verde e sal a gosto.
A intenção em especial é falar um pouco do Maxixe, sei que não apenas os sulistas lêem minhas postagens, porém sei também que são eles os que menos conhecem desse alimento, portanto segue a baixo algumas características desse legume.
O maxixe é uma hortaliça muito consumida na culinária popular nas regiões Norte e Nordeste, ainda pouco conhecido no Centro-Sul do país. É um fruto originário da África, introduzido no Brasil pelos escravos, é fonte de sais minerais, principalmente zinco, sendo muito útil para evitar problemas na próstata, na diminuição dos depósitos de colesterol, na cicatrização de ferimentos internos e externos e mais, têm poucas calorias.
O fruto tem casca espinhosa ou lisa, de cor verde clara, se for comprar, evite frutos amarelados, que por serem mais velhos tornam-se fibrosos, com sabor ruim e sementes duras.  Além da forma in natura, podemos encontrar na forma minimamente processada, ou seja, já lavado, raspado e embalado. Este produto deve estar exposto em gôndolas refrigeradas, pois sua durabilidade é menor do que a do maxixe inteiro. A maior oferta e os menores preços vão de novembro a maio.
Conservem-os em temperatura ambiente, os frutos murcham e ficam amarelos rapidamente, podendo ser mantidos sem perda de qualidade por no máximo três dias. Na geladeira, devem ser colocados na parte mais baixa, acondicionados em sacos de plástico, por até uma semana. Se houver formação de gotículas de água no interior da embalagem, fure o plástico com um garfo. Os frutos já raspados devem ser mantidos em geladeira, embalados em saco de plástico ou vasilha tampada.
O maxixe é consumido tradicionalmente na forma cozida ou refogada. Na maxixada, prato típico do Nordeste, é cozido juntamente com carnes, abóbora, quiabo, jiló e temperos. O maxixe cru pode ser usado na forma de salada em substituição ao pepino.
Para salada, prefira frutos mais verdes, que ainda não formaram sementes. Quando consumido na forma crua, os frutos devem ser lavados em água corrente e higienizados com hipoclorito de sódio. Deixe os frutos de molho por 15 minutos e enxágüe em seguida em água filtrada. Para consumo cozido ou cru, o maxixe deve ser previamente descascado, raspando o fruto com uma faca ou retirando uma casca bem fina, para evitar desperdícios.
Dicas
No caso de pratos cozidos ou ensopados, acrescente os maxixes no final, para evitar cozimento excessivo.
O maxixe fica delicioso quando cozido no caldo de feijão.

2 comentários:

  1. Sopa parece deliciosa!

    Eu conheço maxixe, com carne moída fica muito gostoso!

    Beijoca!

    ResponderExcluir

Eu encaro as críticas sempre como construtivas, e se você cutucar é certo que vou gostar.